José Paulo Fafe

Vítor Melícias: um padre mentecapto

PARECE SER moda – pelo menos em certos sectores que apregoam grandes preocupações sociais – contestar medidas de apoio social e que rapidamente são pejorativamente classificada de “assistencialistas”, como se isso se tratasse de algum crime grave. Por exemplo, a distribuição de medicamentos ainda com meio-ano de validade às IPSS’s em vez de serem destruídos causou um sururu, só digno de quem é (e é preciso chamar os “bois pelos nomes”!) mentecapto. Uma dessas alimária dá pelo nome de Vítor Melícias, é padre e há muito que dá mostras de uma senilidade que não seria perigosa se os media não lhe dessem a atenção que a ele e as suas imbecilidades não merecem. Diz então a criatura à RTP, numa lógica de quem prefere ver os medicamentos destruídos a serem distribuídos a quem precisa: “Não podemos dar restos aos pobres; os restos dos medicamentos, por exemplo“. Pois é… e a Igreja deveria ter cuidado em não brindar-nos com esse “resto” de sacerdote que dá pelo nome de Melícias!

6 ComentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *