José Paulo Fafe

Uma pergunta…


O TEMA é delicado, obriga a um natural recato (daí optar por não citar qualquer nome…), mas também implica alguma reflexão. E uma reflexão que se esgota numa simples pergunta: como é que podemos explicar que alguém, num dia, em frente ao ecrã,  num tom a roçar o doutoral apele à discrição e respeito pelos familiares numa hora que é extremamente difícil para estes e, um dia depois, não resista à tentação fácil e ponha no ar uma reportagem sobre as cerimónias fúnebres? Eu prefiro não responder… 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *