José Paulo Fafe

Vai uma aposta que ainda lhe vão chamar democrata?


LEIO QUE morreu José Hermano Saraiva. Adivinho o que por aí vem – longos e encomiásticos elogios fúnebres, aqueles rapapés bacocos e pecando pelo exagero a que o País já nos habituou nestes momentos. Vão-lhe chamar um pouco de tudo, certamente até historiador e democrata – a ele, que era formado em Direito e foi fervoroso e dedicado ministro de Salazar (e Caetano)… Aliás, há uns anos, em plena democracia, e numa entrevista salvo erro concedida ao “Diário de Notícias”, o agora desaparecido Saraiva afirmava alto e bom som e com um descaramento inaudito que tinha sido chamado ao governo por Salazar por representar a “ala democrática” (sim, leram bem…), a “ala democrática do regime“! José Hermano Saraiva pode ter sido um bom comunicador, apresentado com graça e um estilo próprio aqueles seus programas de televisão onde conseguia “embrulhar” os factos da nossa História de forma leve – ainda que (muitas vezes) duvidosa – mas não foi mais do que isso. Peço desculpa, foi… foi ministro da Educação na greve académica de 1969 e representou o pior que o regime de então mostrou: a repressão e a intolerância, pactuando com cargas policiais, prisões de activistas estudantis e promovendo expulsões de alunos e professores, etc. E foi, sempre que lhe convinha, um aplicado, fiel, voluntarioso e disciplinado apaniguado de quem servia. E para quem duvide, aqui fica, com a devida vénia, uma breve transcrição de um post publicado por José Adelino Maltês
29 de Dezembro de 1966. Encerram, na Assembleia Nacional, as comemorações do 40º aniversário da Revolução Nacional. Na presença de Salazar, discursam Baltazar Rebelo de Sousa, José Hermano Saraiva e Melo e Castro. Este último, de forma inconformista, dirige-se, deste modo, a Salazar: “ainda um grande serviço tem de pedir- se- lhe, após tantos e tamanhos que tem prestado … o de afeiçoar os mecanismos da governação … de modo que o país possa progredir à medida do tempo presente e sem que tenha de depender do impulso da sua autoridade ou de abrigar-se à sombra do seu prestígio. Conclui defendendo a necessidade de autêntica vida representativa, à participação do maior número nas tarefas do governo que a todos respeitam”. Os homens do telejornal ficaram embaraçados. Não tinham gravado o discurso de Saraiva que foi o menos crítico. Logo, obrigaram-no a repetir o discurso para um hemicilo vazio e transmitiram-no depois, com aplausos artificiais

PS – Reconheça-se no entanto a José Hermano Saraiva ter tido a vergonha que Veiga Simão, seu sucessor na pasta da “Educação Nacional”, nunca teve. É que ao invés deste último que, depois de reitor de Salazar e ministro de Caetano, ainda teve lata para, ao seguir ao 25 de Abril, ser embaixador de Spínola, ministro de Soares (e de Guterres) e director-geral de Cavaco, Saraiva nunca teve a tentação de ocupar cargos públicos. Valha-lhe isso…

3 ComentáriosDeixe um comentário

  • Descanse em paz.
    Foi muito mais que nunca muita gente será……..Será falado sempre quando muitos nem o são agora………..
    Nunca roubou ninguém, como estes fazem agora. Nunca ludibriou ninguém como estes fazem agora. Nunca lhe deram Licenciaturas, como a estes de agora. Na política não vejo diferença alguma da de agora. Os mesmos vícios, os mesmos 3 gatos a mamar, a mesma marginalidade. Só que antes roubavam muito menos e havia mais ouro no Banco de Portugal que na Reserva Federal Americana.
    Os democratas, como ousa chamar a esta gente do pós-25, como deixaram Portugal?
    E quantas vezes se deixam criticar? Você é um exemplo. Quando não lhe convêm, não publica os nossos comentários. Democratas….Está bem…

    • Pois é, minha senhora… perdeu uma excelente oportunidade para coibir-se de me acusar de “silenciá-la”. Apenas não publiquei os seus dois anteriores comentários porque, pura e simplesmentemente, não lhes encontrei qualquer nexo ou lógica. Apenas (e só) isso…
      Quanto ao dr. Saraiva – pessoa por quem nunca nutri grande consideração – aqui fica, democraticamente, a sua opinião. Que não é (obviamente) a minha. Para mim, a figura do dr. Saraiva auto-intitulado historiador é indissociável da do dr. Saraiva ministro da Educação Nacional que dava aval a cargas policiais sobre estudantes e proibia professores de leccionar com base em informações da PIDE. Percebeu?

  • Caro José Paulo Fafe

    Morreu um grande comunicador, que descanse em paz!
    Quanto a alguns comentários, olhe, que estejam em paz, já que assim se sentem, até e cito: Só que antes roubavam muito menos…

    Olhe, vá tendo paciência…

    Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *