José Paulo Fafe

Um processo pouco feliz…

O PROCESSO que rodeou a substituição de António Capucho no Conselho de Estado não foi propriamente dos mais felizes e o mau-estar que gerou podia ter sido evitado nem que fosse por um simples telefonema, de modo a que Capucho não viesse a saber da decisão da direcção do PSD pelo jornal. Ainda por cima com quem – honra lhe seja feita! – sempre pautou a sua conduta na vida política por uma inexcedível cortesia e educação…

16 ComentáriosDeixe um comentário

  • Para quem dizia que se devia passar uma rasteira … foi (muito) bem rasteirado.
    Espero que a rasteira lhe tenha melhorado as maleitas que o levaram a demitir-se do cargo de Presidente da CMC,já que os “tratamentos” que ele na altura ambicionava não lhe foram concedidos.

  • Caro Sr. Paulo Fafe,

    Toda a gente sabe que Capucho não é flor que se cheire e que se calhar está a pagar por pecados antigos. Mas só um bando de atrasados mentais comandados por um Carreiras a transbordar de ambição desmedida e que não pára de pisar tudo e todos, é que pode achar que criticar a escolha de Fernando Nobre e não aceitar ser seu número dois é um crime de lesa-majestade. Se Capucho tivesse aceite ser subalterno de um oportunista como o homem da AMI estava a trair a história de um partido que é muito mais dele que dessa corja de bandoleiros onde pontificam os Liparis e os Marcos da vida, sejam eles Almeida ou Antónios. Respeitemos o PSD e quem a ele pertence desde sempre!

    Vítor António Cardoso
    Colares

  • O respeito foi sempre algo que se praticou no PSD. Até aparecer Cavaco Silva que, com os seus exemplos de arrogância, carroceirice e má-educação, pelos vistos deixou escola num partido que foi fundado por gente de bem…

  • Esse “S.Bagonha” deve ser pseudónimo de alguém a quem um possível regresso o dr. Capucho à Câmara de Cascais incomoda, não acham? Algum comissário político do “Cascais new estabilishement”, quase de certeza.

  • Engano, caro sr. Mira, puro engano, ou devo dizer delírio?
    Primeiro porque não vejo no meu anterior comentário algo que signifique “incómodo” por um eventual regresso de A. Capucho à CMC. Nem vejo que ele possa regressar lá, a menos que aquilo seja assim como a “casa da sogra”, o que não me parece. Depois, porque em futuras eleições, e numa (muito)improvável recandidatura de Capucho, as gentes de Cascais não estariam decerto abertas a reeleger um tipo que, por causa de interesses pessoais mas argumentando falsamente com motivos de saúde, abandonou a Câmara e os seus munícipes. Como vê, nem “regresso” nem “incómodo”! Quanto aos meus supostos interesses de “comissário político do Cascais new estabilishment”, (gostei, fino…), sempre lhe concedo o seguinte: Moro no concelho de Loures e quando vou, de quando em vez, a Cascais é para ver o mar, almoçar no Pereira (passe a pub) e ir até ao parque da Guia. Concluindo, perdeu o caro sr. Mira uma boa oportunidade de, soit disant, estar calado.
    E para finalizar, que a prosa vai, demasiado longa, quem com ferros mata…, ou melhor ainda, para sacana, sacana e maeio. Fiz-me entender sr. Mira?

  • O sr “Bagonha” picou-se?! Não era para tanto… Especialmente para quem vive em Loures e assevera não pertencer ao “gang” dos que ficam incomodados com um possível regresso do dr. Capucho. É que essa do “para sacana, sacana e meio”, diz tudo quanto a quem se esconde através de um pseudónimo bem “salgado”. Eu não. Chamo-me mesmo João Mira e pode ver nos ficheiros da Distrital o meu número de militante (com quotas pagas por mim, que fique claro).

  • É lamentável o estado a que chegou o PSD! A falta de educação, a grosseria, os insultos, a inconcebível forma de estar de quem é igual estar neste partido ou noutro qualquer. O que interessa é o “tachinho” na câmar x ou y, a avençazita que arrecadam da empresa municipal a ou b. Política? Nem vê-la! Ideologia? Que horror! Valores? Foge! Princípios? Brincamos ou quê? O que interessa é o que toca ao fim do mês, o carrito hibrido à conta e a pose para a fotografia atrás dos chefinhos. É tudo muito mau, mesmo muito mau!

  • aviso já que tenho o teclado para o lixo.
    adiante, Deus do céu o que falam de cascais, vivi lá muitos anos, os meus filhos são de cascais, o manolo viuos na barriga, Helena roseta cheias, tudo destruído, fora as palmeiras…
    a seguir o amoroso que destruiu cascais, quanto ao capucho não sei o que fez, porque moro em Lisboa.

  • Tenho muita pena do estado a que o PSD de Lisboa chegou. Esta polémica a propósito do saneamento do dr. António Capucho e a troca de acusações entre companheiros (suponho…) é triste e provoca-me profundas náuseas.
    Aprecie-se ou não o dr. Capucho, entendo bem os motivos que le terá para nutrir um profundo desprezo por gente sem educação e que cultiva a grosseria. É por estas e por outras, que cada vez mais as pessoas íntegras e bem-intencionadas não querem nada com a política. Onde anda, por exemplo, António Pinto Leite?

  • Está tudo explicado… O pessoal do sr. Carreiras picou-se! Também têm que justificar o ordenado e o tachito… Sejamos compreensivos pôrra!

  • A propósito:é estranho que nunca ninguém tenha sugerido sequer uma investigação sobre a mega-negociata do ex-Estoril Sol. Se o tivessem feito talvez tivessem chegado à conclusão que o Capucho tem mais primos em Macau que o Isaltino na Suiça.

  • Só cá faltava essa! O Capucho metido em negociatas?!!! Tenham juízo, não se metam por esses caminhos, não vá ser que um dia lhes entre pelos gabinetes dentro quem menos esperam e ainda vai ser um cu de boi de um tamanho pouco “fininho”. E lembrem-se que, lá por usarem (ou fingirem que usam) avental, não estão livres que alguém mais escrupuloso e trabalhador resolva fazer um trabalho bem feito e comece a ver tudo à lupa…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *