José Paulo Fafe

Tiago Craveiro


É EXTRAORDINÁRIA esta mania tão portuguesa de tentar encontrar bodes expiatórios para justificar desilusões, derrotas e erros. E isso vale para tudo, desde a política ao futebol, passando pela vida empresarial, pela actividade cultural, por todo o lado. O que se está a passar à volta da lamentável prestação da selecção portuguesa em terras brasileiras não foge à regra… E quando todos sabemos que os responsáveis pela imagem inenarrável e degradante que a equipa nacional deixou neste Mundial são, à partida, o técnico e uma significativa maioria dos jogadores, eis que tentam lançar para a fogueira o nome de alguém que não tendo qualquer responsabilidade na escolha dos jogadores, na sua preparação, ou seja no seu desempenho, é aparentemente o elo mais fraco de toda a história: Tiago Craveiro, o director-geral da Federação Portuguesa de Futebol.
Conheço o Tiago há muito tempo, era ele um jovem jornalista, tinha talvez uns 23  ou 24 anos. Foi numa campanha eleitoral, estava eu de um lado e ele de outro – ou seja, eu desempenhava funções na estrutura dessa campanha e ele cobria-a como repórter. O Jorge Lemos Peixoto, que então estava comigo nessas tarefas, está aí para certamente corroborar o quanto o Tiago me impressionou, tanto pelo seu profissionalismo como pelo seu carácter. Nele sempre pudemos confiar, sempre soubemos que com ele o que era off era off e o que por vezes era combinado era cumprido à certa – algo que muito jornalista que por aí anda (e andou) não se pode orgulhar. 
Resumindo: tenho do Tiago Craveiro a imagem de um homem sério, íntegro e profissional.E não resisto a contar (espero que ele não se chateie…) um episódio vivido apenas há semana e meia quando, três(!) minutos após ter publicado na minha página de Facebook um post pouco simpático para a selecção, mais concretamente acerca da eleição de Campinas como quartel-general, recebi uma mensagem privada do Tiago: “Se me quiser perguntar a razão da escolha de Campinas, eu respondo (…) tem algum número brasileiro onde eu possa ligar-lhe?“. Dito e feito, pouco tempo depois o telefone tocou. Do outro lado, calma e serenamente, o Tiago apresentou-me algumas justificações, algumas que eu considerei como plausíveis e aceitáveis para essa escolha, o que me permitiu minutos depois, na mesma página de Facebook, citando “um velho conhecido” (no caso o Tiago Craveiro) apresentar essa justificação. Escrevi então: “Aceite-se ou não, finalmente aqui está uma justificação que considero plausível para a escolha de Campinas(…)“. Acho que este episódio mostra quem é e como se comporta o Tiago – discreto, profissional e eficiente. E atento ao mais ínfimo pormenor, pronto a defender aquilo em que acredita e porventura fazendo o que alguns, por não lhes convir, não quiseram fazer: defender a selecção e o próprio técnico. Pode-se estar, ou não, de acordo com o Tiago nessa defesa, mas uma coisa é certa: ao fazer isso, ao não medir esforços para defender a sua “dama”, o Tiago Craveiro fez mais que a sua obrigação. Podia ter ficado “nas covas”, “na sua” como se diz, tal como tantos outros que  assobiaram para o lado e viraram as costas para os problemas. Mas não, ele optou por tentar ajudar a defender o que ele achava ser necessário defender, demonstrando também o quanto estava envolvido e comprometido com a missão em que participava. Pudessem todos orgulhar-se do mesmo…
Um abraço, Tiago!

1 comentárioDeixe um comentário

  • Subscrevo da primeira à ultima linha o que escreveste.
    Curiosamente também conheci o Tiago numa campanha eleitoral.
    Mais propriamente nas autárquicas de 2001 nas quais enquanto secretário geral adjunto do PSD acompanhava o líder (Durão Barroso)nas voltas pelo país e o Tiago fazia a cobertura da campanha para o orgão de comunicação para que trabalhava na altura. E confirmo tudo que escreveste sobre o seu profissionalismo e “savoir faire”.
    Curiosamente ele também me explicou, ainda antes do Mundial, as razões porque optaram por Campinas. Que achei razoáveis e por isso nunca critiquei essa opção. O problema da selecção não foi seguramente o Tiago Craveiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *