José Paulo Fafe

Tão “irmãos” que nós éramos…

AINDA BEM há pouco tempo contaram-me episódios ocorridos entre Isaltino Morais e os socialistas de Oeiras e que revelavam uma cumplicidade a que não seriam certamente alheias coincidentes opções de índole pessoal e espiritual do autarca e dos seus colegas  do PS. Por isso, fiquei ligeiramente surpreendido quando vi a celeridade com que os socialistas de Oeiras, perante a prisão do autarca, vieram pedir eleições antecipadas. E agora que ele foi libertado, como é que vai ser? Os valores da fraternidade superarão essa “traiçãozinha” ou o caldo ficou entornado?

1 comentárioDeixe um comentário

  • Não esquecer, em questões de “irmandade” a que unia o “bibelot” Marques Mendes e o Isaltino Morais em tempos idos.
    È que, já que se falou nisso…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *