José Paulo Fafe

Seixas da Costa: na “mouche”…


A PROPÓSITO da curta e polémica visita a Portugal da chanceler Angela Merkel e com a devida (e mais do que merecida) vénia, não resisto a transcrever um trecho de um post publicado no seu blogue “Duas ou três coisas” (http://duas-ou-tres.blogspot.com.br) pelo embaixador Francisco Seixas da Costa que tem o condão de recordar factos (e também a  responsabilidades de algumas personagens…) que, apesar de recentes, parece terem caído no esquecimento de muitos: “O pacote de austeridade que hoje é aplicado a Portugal é produto de uma receita económico-financeira, que comporta algumas dolorosas reformas do Estado, que foi desenhada por três instituições internacionais – uma das quais, aliás, é presidida por um português (Comissão Europeia) e outra que tem outro português como vice-presidente (BCE). Foram essas instituições quem negociou, com um governo português já então fragilizado pela perda de confiança política interna que o tinha afastado do poder, um programa de “assistência” que, à época, acabou por ser politicamente ratificado por outras forças partidárias portuguesas. O voto maioritário de muitos de quantos hoje entre nós protestam veio, aliás, a atribuir a essas outras forças políticas, que haviam sido determinantes no afastamento do anterior executivo, o encargo de passar a governar o país, nele incluída a responsabilidade de aplicar o programa acordado e, nessa tarefa, de decidir as escolhas específicas a fazer, dentre as medidas concretas que apontem no sentido das metas genéricas da condicionalidade que são determinadas pelo contrato subscrito.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *