José Paulo Fafe

Quando a notícia é… o tubarão

QUANDO UM alegado avistamento de dois tubarões (presumivelmente “martelo”) na linha de maré de duas praias do barlavento algarvio domina a actualidade em tudo o que é serviço noticioso televisivo, penso que está tudo sobre em que País vivemos e à mediocridade a que estamos sujeitos por parte de quem define o alinhamento dos nossos telejornais.

5 ComentáriosDeixe um comentário

  • Notícia, notícia, José Paulo, era se os ditos tubarões demonstrassem ser bichos de “túbaros” e nos livrassem de alguns “tubarões” que, por lá, andam a banhos e, por cá, nos devoram a paciência e a carteira.

  • Amigo Zé Paulo.
    É um País em que as pessoas que depois de ir a Fátima e já na volta a casa, ultrapassam outros carros em filas tremendas, com duplo traço contínuo, assassinam toda a família e suicidam-se no mesmo momento contra camiões enormes.
    Um País em que o álcool manda mais que a Polícia e desafia a inteligência. Em que os dois neurónios de média mal funcionam. Em que se votam duas e três vezes os mesmos malandros, marginais, fraudulentos, criminosos, mentirosos e perigosos. Em que marginais envolvidos em crimes com fuga do País e de dupla nacionalidade, são livres de se candidatar e serem votados a postos de relevo. O País em que temos que nascer 2 vezes para ser tão malandros como os que dizem ser Santos ( de pau carunchoso, certamente ).Em que se é condenado por fraude e desvio de milhões de euros em Bancos em que se foi Presidente e depois é-se convidado para as tomadas de posse dos PR e levando-se pela mão uma “árvore de Natal cheia de ouro” espectáculo digno das peixeiras do Bulhão.
    Um País em que os Partidos políticos fazem “amigações” ilegais e escrevem a militantes
    para lhes indicar o voto noutro partido para ganhar eleições de forma fraudulenta como aconteceu na última eleição à CML.
    Um País em que as relações se baseiam na inveja e no tacho, nas influências, tráfico das mesmas, abuso de poder, nomeações, diplomas falsos, datados de Domingo, Licenciaturas criadas no CV, em que os ladrões se passeiam como querem, onde os Pinto de Sousa Imperam, Varas são Reis e Godinhos são Rainhas…Um País que até tem e ainda, uma rainha ( de r muito pequenino ) de Inglaterra que diz não ter poder algum mas que mandou acabar com todas as escutas que comprometiam a vida em liberdade de certo escroque da sociedade.
    Um País sem razão, um País em que Josés Castelo Brancos vendem imagem. Diz tudo….
    Um País em que ardem milhares de hectares ao ano em nome de uma mão criminosa e nunca ficam presos nem lhes acontece nada….
    Um País sem rumo, sem futuro, sem aspirações nem sonhos. Um povo vazio de espírito que baseou a vida em carros topo de gama e casas enormes que não conseguem pagar, por achar que isso é ser alguém.
    Haja Tubarões.
    Felizes os pobres de espírito, alguém disse…………………

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *