José Paulo Fafe

Por cima de patada… coice!

RECOMENDO VIVAMENTE a quem queira ver o que nos espera, ler a reportagem da revista “Sábado” intitulada “Dois dias com Passos Coelho na semana de moção de censura”. E dar particularmente atenção a todas as passagens em que surge uma inenarrável e surrealista personagem que dá pelo nome de José Cesário, que já foi secretário de Estado das Comunidades e que – para mal dos nossos pecados… – anda a fazer tudo por tudo para um dia destes voltar a abichar um cargo governamental, qualquer que ele seja. Cesário funciona assim como um “mordomo” do líder laranja, desdobrando-se em atenções e pífios conselhos de etiqueta, passando-lhe bilhetinhos no meio dos discursos, assentindo e bebendo-lhe venerandamente as palavras, fazendo-lhe os recados. Mas engana-se quem supõe que a criatura não possui opinião própria, longe disso – especialmente quando tem jornalistas por perto… A melhor, das relatadas pela repórter da “Sábado”, deu-se quando Passos Coelho o mandou comprar um ramo de flores para levar à embaixatriz de Portugal, a casa de quem iria jantar umas horas depois. Certamente inspirado pelos tempos que passou no palácio das Necessidades (e onde recebia pessoas no seu gabinete, enquanto o seu filho devorava vorazmente gordurosas pizzas em cima dos documentos oficiais que “decoravam” a mesa de trabalho de seu pai), a “cesária” personagem em vez de esclarecer o pouco experiente Passos Coelho que “flores não se levam, mandam-se entregar no dia seguinte…“, resolveu mostrar o seu à-vontade nestas questões de etiqueta protocolar: “Melhor era levar uma garrafa de champanhe!“. Ou seja, por cima de patada… coice!
Com o que aí se avizinha mais dia menos dia, é caso para dizer: venha o Diabo e escolha!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *