José Paulo Fafe

Pedro Passos Coelho


NUNCA TENDO sido um grande entusiasta de Pedro Passos Coelho, tenho que reconhecer que a prestação do primeiro-ministro desde que tomou posse tem-me surpreendido agradavelmente. Mais que qualquer outro membro do governo, Passos Coelho tem conseguido mostrar ao longo destes meses um “calo” que, à partida, não seria de esperar por parte de quem pouca ou nenhuma experiência possui nestas andanças. E principalmente tem mostrado à saciedade uma calma e serenidade que só é possível a quem está bem-intencionado. E é exactamente essa a imagem que o chefe do governo tem conseguido transmitir – a de um homem bem-intencionado, sério e que dificilmente esconde alguma amargura por ser obrigado a protagonizar medidas que obviamente preferia não ter de assumir. Se as coisas lhe correrem bem (que é como quem diz, se todo este esforço de austeridade resultar de facto num “arrumar de casa” e ficarem criadas as condições para que o nosso País possa encarar a segunda metade desta década com outra expectativa), Passos Coelho ficará na história. Possivelmente por não ter pretensões a ser mais do que um homem comum e não surgir aos olhos dos portugueses como “o salvador”. Porque de pretensos e supostos “salvadores”, estamos nós fartos! 

7 ComentáriosDeixe um comentário

  • José Paulo
    Felecito-o pela coragem, “nesta altura do campeonato”, em colocar este post.
    O “retrato” que faz de PPC é real. Provavelmente, em outros momentos da nossa vida política, se os políticos da altura tivessem semelhante comportamento, os portugueses não estariam hoje envolvidos numa “greve geral”.

  • Subscrevo totalmente este post.

    Portugal parece ter finalmente o Primeiro-Ministro de que precisa, vamos ver se o merece. Se esta ridícula e despropositada greve “geral” tiver qualquer êxito, por muito pequeno que seja, fica demonstrado que não.

  • Estimado José Paulo
    É certamente o único membro do Governo que ainda admiro.
    No entanto, nem o número 2 nem o resto dos Ministros têm feito muito bem o seu trabalho. Em relação ao número 2 não falo do trabalho nos Negócios Estrangeiros, falo no trabalho de supervisão que deve ser EXAUSTIVO aos outros Ministros e Secretários de Estado e que ao ver e ouvir o que fazem e dizem, não está a ser feito.
    Nós não necessitamos ouvir nada…Queremos ver resultados e em seis meses muita coisa devia ter sido já feita.
    Têm denegrido a imagem do Governo e do mesmíssimo PM.
    Na Justiça instalou-se o caos, as disputas, as guerras com a Ordem dos Advogados, enfim, lamentável.Com TANTO que há a fazer…… Na Saúde uma vergonha. Seis meses e nem os dossiers mais graves foram resolvidos. Nas Finanças, os cortes e foi tudo o que fizeram até agora. Nem um projecto de crescimento de economia. E por falar em Economia, o Ministro é dos que mais disparates diz e faz e depois têm que ser contraditos pelo PM para limpar a imagem.
    Pedro Santana Lopes como PM fez mais em 6 meses que estes farão num ano.
    Já agora fica aqui a minha indignação com os “piquetes” da greve de hoje, como se em 1975 estivéssemos na ditadura “Cunhalesca” com a marioneta Vasco Gonçalves como PM.
    Quase mil milhões de euros perdidos hoje, num dia, numa greve estúpida, anormal, sem razão alguma. Deviam agradecer o facto de terem ainda um trabalho nos dias que correm.
    Um País na miséria e o Partido Comunista a mandar deputados para a portas das Empresas para não deixarem os empregados trabalhar.
    Os Sindicatos dão vergonha alheia. Uns secretários gerais barrigudos, que não trabalham há décadas e enchem a pança à custa dos parvos que ainda pagam as quotas….
    Vergonha na TAP….Os senhores Pilotos que ganham mais à semana que qualquer Ministro ao mês, ontem às 21h já não foram trabalhar deixando 50.000 passageiros em terra.
    Não sei bem para onde vamos, mas sei que o sítio não é o melhor e quando não tiverem empregos nem comida na mesa, só espero que se cheguem aos Carvalhos da Silva e Jerónimos de Sousa da vida para pedir-lhes comida e dinheiro. Eu cá estarei para ver depois o que se passará. Serão comidos pelo monstro que eles mesmo criaram. Típico!

  • Concordo na generalidade com a avaliação feita. Porém, e infelizmente, para mim Pedro Passos Coelho «borra a (boa) pintura» que no resto faz com a adesão a essa aberração que é o «aborto ortográfico» – ao qual se opunha pelo menos até, creio, 2008.

  • Caro Octávio dos Santos
    Acha que valia a pena “abortar” um acordo que por natureza já é um aborto?
    Não se esqueça que após um certo período de gestação, em termos de saúde para a mãe (neste caso “mãe pátria”) é muito perigoso fazer um aborto.
    Quando PPC chegou ao Governo (Junho – 2011) já o “aborto” andava aos “saltos” em artigos de opinião e os jornais e o serviço público da RTP tinham colocado o controlo do novo acordo ortográfico.
    “Quem nasce torto tarde ou nunca se endireita” ou “Quem nasceu para cangalha não dá para sela” ou “O que o Fiabo dá o Diabo torna a levar” . . . são provérbios populares, com muitos anos de sabedoria.Por isso, estou certo que o “Diabo” levará o acordo. Não vamos recorrer ao SNS para fazer o “aborto”. O tempo trará disso.

  • Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah! Ah!

    Quem se deve estar a rir á gargalhada com este comentário deve ser o ” marceneiro Angelo Correia ” o querido, amado e emplumado pai,deste PINÓQUIO !

  • Subscrevo por inteiro a tua opinião Zé Paulo.
    E creio que a maioria das pessoas tem de PPC essa imagem de seriedade e boas intenções que creio corresponderem À realidade.
    Tenho é as minhas duvidas sobre quanto tempo conseguirá essa imagem positiva sobrepor-se À de outros governantes com prestações muito fraquinhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *