José Paulo Fafe

Os telefonemas de Sócrates


HÁ BEM pouco tempo uma destacadíssima figura do universo socialista (hoje afastada dos holofotes) contava-me que raro é o dia em que José Sócrates não pega no telefone e, desde o seu “exílio” parisiense, desanca forte e feio em António José Seguro junto dos que lhe são mais próximos, acusando-o de estar a reboque do governo. Segundo me contaram, o palavreado utilizado pelo antigo primeiro-ministro é de fazer corar a mais grosseira das criaturas ao cimo da terra. Imagino pois o que terão sido os últimos dias de Sócrates e dos seus apaniguados, a presenciar este claro “baixar de armas” do PS (e não só da sua direcção) relativamente ao governo- especialmente ap?﷽﷽﷽﷽﷽﷽﷽﷽ bom e o bonito!deiro”)  s vezes; e finalmente Elisa Ferreira (por quem Snvestigadores norte-americanos ós a reunião entre Seguro e Pedro Passos Coelho. Quanto berros e impropérios terão sido soltados desde Paris, quando o antigo chefe do governo viu Vital Moreira afirmar que “a crise é duradoura e não atalhos ou milagres”; o seu antigo ministro Luís Amado dizer que “existem coisas mais importantes que a RTP”; o outrora obediente Carlos Zorrinho confessar que que “gostaria que o primeiro-ministro ouvisse o PS mais vezes”; e finalmente Elisa Ferreira (por quem Sócrates nunca morreu de amores…) confidenciar que quer “um consenso nacional verdadeiro”? Deve ter sido o bom e o bonito!

4 ComentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *