José Paulo Fafe

Os franceses e o “camaleão” Durão Barroso


JÁ AQUIfoi escrito (e bem recentemente) que nos últimos tempos a vida não tem estado fácil para Durão Barroso, agora na recta final do seu segundo mandato na presidência da Comissão Europeia e que, em privado e em público, não tem sido poupado a críticas por quem possui uma inevitável e decisiva palavra a dizer quanto à sua recondução na Comissão  ou mesmo a uma hipotética candidatura à secretaria-geral das Nações Unidas – no caso, respectivamente, pelos alemães e pelos franceses.
Como se não bastasse o mau estar que existe relativamente a si nos principais areópagos europeus, Durão conseguiu agora abrir mais uma “frente”, desta feita relativamente aos franceses e a propósito da protecção do cinema europeu. O editorial do ainda influente diário “Le Monde” não poupa o presidente da Comissão. Sob o título “Sr. Barroso, você nem é leal nem respeitador“, o jornal é de uma particular violência com Durão, a quem acusa de ter virado as costas aos interesses europeus e, com vistas a assegurar os próximos anos da sua carreira política, ter caído nos braços do presidente Barack Obama e do primeiro-ministro David Cameron: “Hoje, aos 57 anos, este camaleão procura um futuro. À procura de um belo posto na NATO ou na ONU – quem sabe? – ele escolheu lisonjear os seus parceiros anglo-saxões, o primeiro-ministro britânico e o Presidente americano. À cabeça da Comissão, o Sr. Barroso foi um bom reflexo da Europa – uma década de regressão“. Isto não está nada fácil…

1 comentárioDeixe um comentário

  • Estes franceses não são nada parvos. E só prova que na política, mais dia menos dia, o oportunismo paga-se. O que o Le Monde vem hoje escrever só confirma o que o Fafe publicou há uns dias sobre o Barrroso: o homem não sabe para onde virar-se porque já percebeu que não tem grandes chances de candidatar-se a Belém ou de continuar lá em Bruxelas

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *