José Paulo Fafe

Olhar em jeito de abcedário…


AGORA POR estas (nossas) terras não resisto a deixar a registar, em jeito de abcedário, algumas notas a propósito do (muito) pouco que por aqui se passa:

A – de artista. Moita Flores, candidato do PSD a Oeiras. 

B – de Basilio. Horta. Candidato do PS a Sintra. Outro artista.

C – … de Cavaco (Silva). Há dias, por outras razões, interroguei-me aqui se o Presidente da República seria parvo ou pretenderia fazer de nós parvos. Hoje, depois de ter lido (de boca aberta) as alarvidades proferidas pela cavacal figura pretensamente com o intuito de fazer rir quem as ouvia numa cerimónia que juntava jornalistas para a entrega de uns prémios, fiquei com outra dúvida: se o autor daquele discurso (?) foi algum palhaço que trabalha em Belém e amanha umas graçolas imbecis e desenxabidas para “patrão” tentar fazer rir a Maria à hora de jantar ou se o palhaço é mesmo o próprio e tudo aquilo é fruto de um suposto sentido de humor de alguém que não percebe que o seu prazo de validade já expirou…

DDurão Barroso. Nasceu com “o rabinho virado para a lua”. A meio do segundo mandato como presidente da Comissão Europeia, o seu nome começa a ser falado como futuro secretário-geral da ONU. Extraordinário…

EEspanha. “Cheira-me” que não temos bem a noção do “barril de pólvora” que está aqui ao lado. Alguém sabe qual é o valor da dívida pública espanhola que está nos bancos portugueses? E qual é a percentagem das nossas exportações para o lado de lá da fronteira? E alguém já analisou as consequências para Portugal de um “desmembramento” de Espanha enquanto nação? E já agora, do fim da monarquia?

FFado. Um ano de património mundial. A RTP transmitiu um espectáculo comemorativo. Acho que a realização colocou mais no ar  o presidente da Câmara de Lisboa no camarote que os fadistas em palco…

GGaspar. Vítor Gaspar. Pois…

HHerói. Pelos vistos agora dá pelo nome de Nuno Santos. Ainda não percebi como nem porquê, mas é um misto de mártir e herói de um “dossier” onde – cheira-me… – responsabilidades sobram-lhe. Cada País e classe jornalística tem os heróis que merece…

IIniciativa presidencial, governos. A Cavaco só lhe falta a coragem. Porque primeiro-ministro já tem – o seu amigo Silva Peneda. Que agência de comunicação é que estará a trabalhar com o actual presidente do Conselho Económico Social? E Luís Amado? Aceitará ser “número dois”, ou acha-se ele próprio “a solução”?

JJornais. Cada vez mais levezinhos…

LLegitimidade. Por muito abaixo-assinado a pedir a demissão do governo, por muitos “notáveis” e “figuras de referência” que os possam subscrever, a verdade é que a Passos Coelho lhe poderá faltar tudo menos legitimidade. Essa tem-na e é a das urnas, a da vontade expressa dos eleitores que o escolheram. Até prova em contrário, ou seja até às eleições (sejam elas quando forem), qualquer movimento no sentido da sua demissão só pode ser entendido como uma subversão das regras da democracia. E que eu saiba, o dr. Sampaio já não é Presidente da República há uns quantos anos…

M –  Obviamente de Marcelo. Insaciável na sua desenfreada caminhada em direcção a Belém. Mas ele sabe bem que não está sozinho. Daí a pressa…

NNegociata. A do auto-inteligente Fernando Seara, a ver se uma anunciada derrota na capital lhe rende um lugar em Bruxelas. Pode ser que arranje uma desculpa esfarapada e volte a desistir na varanda…

OOportunista. Paulo Portas.

P Penteado. De Judite de Sousa na entrevista a Passos Coellho. A lembrar um abacaxi…

Q Quieto. Sem levantar ondas. Pedro Santana Lopes. Só quem não o conhece e o possa subestimar é que poderá achar que, discreto e silencioso no seu gabinete da Santa Casa, é uma “carta fora do baralho”. Longe disso – pode virar “trunfo” num abrir e piscar de olhos…

R – de Largo do Rato. Nada de novo. Infelizmente para todos…

SSantos Pereira. Antes (ainda bem há pouco tempo…) era “o Álvaro”, um verdadeiro “saco de boxe” em versão ministerial. Hoje, vejo-o elogiado e gabado nas suas qualidades enquanto homem de “visão estratégica”. 

T Tribunal Constitucional. Será que Cavaco Silva vai enviar o Orçamento para fiscalização de uma possível “força de bloqueio”?
V – … de vozes (ouvir vozes). Em Cascais, uma Isabel (ex-Olavo) Magalhães tenta liderar uma “salada de frutas” para se opor à actual gestão camarária nas próximas eleições. Até aqui tudo bem. Só acho que começo a ouvir vozes quando leio que António Capucho é um dos seus potenciais apoiantes…

3 ComentáriosDeixe um comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *