José Paulo Fafe

O matreco

DE VEZ em quando calha-me apanhar trechos das intervenções televisivas de Luís Marques Mendes enquanto comentador político. E como tenho alguma memória, fico a maior parte das vezes estupefacto com o descaramento (sim, descaramento – não encontro outra expressão…) com que este “Marcelo Rebelo de Sousa dos pequeninos” fala de cátedra e com uma pretensa autoridade moral (vá lá saber-se ganha onde e à conta de quê…) sobre o País e o partido a que pertence, como se  nada tivesse tido a ver com o que quer que seja. No mínimo extraordinário, para quem nunca fez outra coisa na vida senão exercer cargos políticos, tendo sido membro do governo durante onze, repito, onze anos e líder do PSD num “consulado” de triste e má memória que ficou marcado por  perseguições e purgas internas dignas do mais estalinista dos estalinistas e penosos episódios como a “entrega” da câmara de Lisboa ao PS ou a assinatura do famigerado pacto de justiça. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *