José Paulo Fafe

“O banqueiro indignado” by José Ferreira Fernandes

Os reformados já tinham uma organização, APRE! (Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados), e amanhã será fundada outra, o MRI. Eu teria preferido CHIÇA!, uma interjeição ainda mais dura, embora admita que fosse difícil encontrar uma palavra com a letra inicial Ç. Mas o momento é de abandonar as interjeições e ir pela explicação por extenso do estado de alma dos associados: MRI quer dizer Movimento dos Reformados Indignados. Ora este MRI – não é de mais repeti-lo: Movimento dos Reformados Indignados – vai ser presidido por Filipe Pinhal, ex-presidente de banco (BCP) e atual beneficiário de uma reforma de 70 mil euros mensais. É um pouco como se a Diana Chaves se tornasse tesoureira da Associação das Feias de Portugal. Ao “ai aguenta, aguenta!” de um banqueiro, ontem, responde, amanhã, um ex-banqueiro que não aguenta. Pôr um ex-presidente de banco que ainda há meses foi condenado a pagar multas de 800 mil euros por deslizes financeiros a liderar pensionistas que tiveram cortes nas reformas de 1350 euros é contradição das boas, capaz de gerar unidade nacional. Estamos todos no mesmo barco da indignação: do banqueiro ao cabouqueiro. Que este, por razões egoístas e prosaicas – ganha pouco – se indigne, não merece duas linhas de crónica. Admirável é o outro, que apesar de ter um milhão por ano de reforma ainda se indigna. O único contra que vejo é irrelevante: faz-me desconfiar de tanta unanimidade”.

                                                                                                                                        in DN, 4.03.2013

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *