José Paulo Fafe

Nem de propósito…


VALE A pena ler a elucidativa crónica que Eliane Cantanhede publicou hoje na indispensável segunda página da “Folha de São Paulo” sobre as manifestações que estão a ocorrer no Brasil. Uma análise tão sucinta quanto certeira:

Nas décadas de 1960 e 1970, secundaristas e universitários lutaram bravamente contra uma ditadura e a favor de utopias sedutoras. Muitos morreram e foram torturados quase ainda crianças.
Nos anos 1980, novas gerações lutaram nas ruas pelas “diretas, já”. E, nos 1990, milhares pintaram a cara pelo impeachment de Collor. Mais do que demolir um presidente indesejável, sonhavam edificar um país mais justo, mais decente.
A década de 2000 passou em branco. Inebriados pelo mito Lula e a miragem da esquerda pura e ética, os movimentos acomodaram-se e a estudantada recolheu-se à sala de aula. Utopias e sonhos coletivos cederam às ambições pessoais. O “cada um por si” venceu o “um por todos, todos por um”.
As manifestações de agora começaram por 20 centavos a mais na passagem de ônibus em São Paulo e alastraram-se para Rio, Curitiba, Goiânia, Teresina e outras capitais. Coincidiram com os tambores de guerra dos índios e podem ser o fim da longa hibernação, um sinal para os Poderes da República.
Basta de violência, de desvios, de impunidade.
É nesse clima que o país é informado de uma tal “Resistência Urbana – Frente de Movimentos e Articulação Nacional dos Comitês Populares da Copa”. No Rio, fazem passeatas. Em Brasília, queimam pneus e fecham avenidas contra a farra dos estádios com dinheiro público.
E os protestos vão longe. Pela internet, o novo “Democracia não tem fronteiras” convoca estudantes e trabalhadores brasileiros para manifestações, terça-feira, em 30 cidades de 15 países.
Seria ingenuidade imaginar que tudo isso é uma enorme coincidência e que não há nenhuma conexão entre grupos e manifestações –ao menos uma mesma motivação.
O espectro da insatisfação ronda o Brasil. E pode explicar até a inexplicável violência de policiais – eles próprios são cidadãos irritados.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *