José Paulo Fafe

Mediocridade, incompetência e falta de liderança


QUEM TEVE oportunidade de falar comigo sobre a selecção nos últimos meses sabe bem que não é de hoje que eu a considero como uma equipa medíocre, comandada por alguém que não possui nem talento nem categoria para exercer o cargo de seleccionador nacional. Não vou entrar naquelas especulações sobre se esta é, ou não, a selecção do empresário “x” ou “y”, ou no debate inconsequente acerca se o fulano devia ter sido convocado no lugar de beltrano. A questão para mim resume-se tão só a isto: falta de categoria. Ponto final.
Pode até lá o rapazolas da Madeira ser considerado o melhor jogador do mundo (acredito que sim, tudo bem…), podemos mesmo ocupar (ainda não percebi bem como, mas pronto…) um 4º lugar no ranking da FIFA no que diz respeito às melhores selecções do mundo (depois da Espanha, Alemanha e Brasil e à frente de, por exemplo, da Argentina, Itália, Inglaterra, Holanda e França – alguém um dia vai ter de explicar-me como isso é possível…)  mas uma coisa é certa e entra pelos olhos dentro até de quem não percebe patavina de futebol: uma selecção que tenha Paulo Bento como técnico e que coloque em campo jogadores como Rui Patrício, João Pereira, Miguel Veloso, Raúl Meireles, Hugo Almeida, Éder, André Almeida, já para não falar de outros, não passa de uma selecção medíocre e condenada ao fracasso. Dirão que é o que temos. Pois sim, será. Mas eu sou dos que acredita que com alguém que fosse, na verdadeira acepção da palavra, um “condutor de homens”, alguém que possuísse capacidade de liderança, estes  jogadores medíocres podiam, porventura, ser medianos, permitindo assim à selecção nacional possuir um desempenho que não envergonhasse como  hoje ocorreu no relvado do Fonte Nova. Bem como não fizessem as figuras tristes que fizeram  quando, ao verem-se a perder, resolveram “distribuir fruta” a torto e a direito ou  reclamarem faltas inexistentes, demonstrando assim que, exactamente por serem medíocres, não sabem perder. E quem esteve bem atento, viu bem que não foi só o Pepe a portar-se como um energúmeno. É preciso dizer mais alguma coisa?

P.S.Oxalá a selecção triunfe em Manaus e em Brasília e se qualifique para os oitavos-de-final. Porém isso não invalida uma palavra do que acabei de escrever, ou seja, que a selecção portuguesa é formada maioritariamente por jogadores medíocres e que é comandada por algiém que não possui nem capacidade nem competência para ser seleccionador nacional. Ponto final (outra vez).

4 ComentáriosDeixe um comentário

  • Não sou assim tão radical, mas acrescento à lista NANI que acabei de ler ter sido o melhor.
    Há anos que NANI brinca na areia, sempre que tem a bola prende-a, pára o jogo. Ninguém vê?
    umps

  • Bem, um dia triste para Portugal…
    Uma entrada à campeão do mundo (como a Espanha)…
    Demasiados jogadores do Real Madrid…
    Está enganado qt ao André Almeida…
    Batemos no fundo… Só podemos melhorar a partir de agora…

  • Com alguma tristeza o digo, porque gostava que fosse ao contrário. Mas concordo muito consigo. A mania das agressões, das correrias patéticas para os árbitros, como refere, muito medíocre, muita falta de qualidade, muita falta de categoria, muita ausência de humildade nas derrotas e nas vitórias.
    António Cabral (marrevoltado.blogspot.com)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *