José Paulo Fafe

Estratégia de comunicação precisa-se: urgente!


COMEÇA A ser difícil defender este governo. Por mais seriedade que nos inspire Pedro Passos Coelho; por muito que saibamos que é alguém bem intencionado; por mais que acreditemos que a última coisa que ele desejaria neste momento seria protagonizar as medidas impopulares que este executivo se vê obrigado a tomar; por tudo e mais alguma coisa, a verdade é que as coisas começam a tomar um rumo por que é difícil vir a terreiro tecer armas. Mas a grande questão, ou melhor, o grande problema é que para mal dos nossos pecados não existe alternativa… Por um lado temos uma oposição entregue a um líder condicionado e espartilhado por um antecessor sedento de vingança; por outro, em Belém reside uma criatura que, por mais que tente surgir como alguém que inspire respeito e credibilidade, não passa de uma figurinha de opereta moral e eticamente desacreditada e que se pronuncia consoante os ventos e as suas conveniências pessoais; e finalmente quem, no chamado “arco constitucional” poderia integrar uma solução consensual e abrangente prefere compreensivelmente o recato do seu lar a uma hipotética exposição pública. Resumindo, isto está mal, muito mal. E como se não bastasse, o governo pura e simplesmente não possui uma política ou estratégia de comunicação – tudo é (aparentemente) feito em cima do joelho, sem nexo, prescindindo de um essencial fio condutor e sem que se vislumbre quem coordene ou no mínimo centralize as acções na área da comunicação. Mais grave: infantilmente estão deixando o terreno livre para que Paulo Portas e a sua corte manipule e ajeite a informação segundo a sua conveniência, tentando (e conseguindo em algumas situações) surgir aos olhos da opinião pública como o paladino do bom senso e da responsabilidade(!) o que, convenhamos, só quem não o(s) conheça é que poderá acreditar. 
Uma última palavra: é difícil (para não dizer impossível) “vender” este governo. Mas por estranho que possa parecer a alguns, o único capital que ainda resta é o do próprio primeiro-ministro. É Passos Coelho, com o que ainda lhe resta da imagem com que surgiu aos olhos dos portugueses há dois anos, o único que pode ainda ser a “alavanca” que permita recuperar alguma da (muita) confiança perdida e muitas vezes infantilmente deitada fora por quem tinha a obrigação de fazer tudo para preservá-la. Exista alguém em S. Bento que perceba que talvez seja esta a última oportunidade e delineie e ponha em execução uma estratégia assente no que ainda poderá – desde que bem estruturado e com imaginação – ser eficaz em termos de comunicação. Antes que os “ratos” comecem (como sempre, aliás…) a abandonar o barco ou, por outras palavras, a trocar sms e a combinar jantarinhos com quem está do outro lado da barricada. Capice?

3 ComentáriosDeixe um comentário

  • Amigo ZPF
    Concordo com quase tudo do que li.
    Talvez por teres mais boa vontade que eu, escreves o que eu digo há quase dois anos, assim que vi que o que estava a acontecer eram duas coisas óbvias:
    Nada do que foi prometido( e essas promessas foram a única razão que levaram Passos Coelho ao poder ) foi cumprido e tudo o que foi prometido não acontecer, aconteceu (décimos terceiro e quarto mês,por exemplo, cortes nas pensões, subidas de impostos).
    Houve quem o desculpasse porque dizem que ele não sabia realmente o que se estava a passar.
    Negativo.
    Ninguêm assina um memorando destes, feito por Sócrates, como o CDS e PSD assinaram, sem saber o que está por detrás dele.( se o fizeram, então socorro pois não prestam mesmo para nos governar ).
    Na altura eu disse várias vezes que Passos Coelho devia demitir.
    Não por incompetente, longe disso, mas para repor a verdade.
    Tinha ganho as eleições outra vez. “Caros portugueses, não vou poder cumprir o prometido pois o PS deixou-nos muito pior do que esperávamos e por isso necessito da vossa força para levantar a Nação.
    Vamos a eleições desta vez com a verdade dos factos”.
    Há ano e meio tinha ganho logo as eleições pois o povo estava farto de vendedores de banha da cobra como Sócrates e Cavaco.
    Agora é muito, muito, muito tarde.
    Quando os políticos começarem a falar verdade talvez Portugal ande para a frente.
    Quando?Talvez nunca, mas devemos ter esperança.
    A comunicação deste Governo como os portugueses não tem falha alguma, amigo José Paulo.
    É assim porque eles querem que assim seja.Nula.
    Típico dos políticos portugueses.”Não digam nada.Omitam.Escondam.O povo não pode saber.A oposição não pode nem sonhar.Não falem,não digam,não se mexam…”
    Seja PSD ou PS é sempre assim.
    Só que o PS como partido de esquerda tem o ADN “comunósocialista” e portanto uma máquina de propaganda imensa por detrás.
    Sócrates pagava a peso de ouro com dinheiros nunca explicados, estrategas estrangeiros para enganar tudo e todos.
    Hoje isso é sabido.
    Portas não é tão mau como o pintam.
    Lógico que faz o papel dele.
    Como o Vice-Primeiro Ministro Britânico. Uma no cravo e outra na ferradura.
    As coligações são sempre assim.
    Como dizes e bem, a oposição parece um “play ground”, um “Kinder garden”.
    Verdes, pouco(muito pouco)inteligentes, sem estratégia alguma e sem alternativas nenhumas às políticas tão criticáveis como altamente nefastas de Victor Gaspar.
    Estamos portanto,amigo meu, entregues à bicharada.
    De há um ano para cá lembrei que estávamos na altura certa,e não em 2008/2009,como sabes,para criar um novo Partido.
    Tenho a certeza de que seria um sucesso.
    Partido de Centro,muito social-democrata e sem liberalismos “Passeanos”.
    Sem ligações à maçonaria nem à Banca.
    Com um líder novo, de perfil impecável mas ajudado por políticos de craveira que não estivessem “sujos” e ao ter alguma, Licenciaturas limpas e estudadas de verdade, sem Diplomas com data de Domingo nem exames feito por fax, como José Sócrates tem.
    Vamos ver o que vai sair daqui, mas vejo a coisa preta.
    Muito negra mesmo………

  • Amigo ZPF
    Hoje descobri nas notícias o que seria um óptimo Ministro de Comunicação assim como o seu assessor.
    Apesar de ser simpatizante do Real Madrid desde os meus 9,10 anos em que via os jogos desde um 14º andar de um prédio mesmo em frente ao Santiago Bernabéu antes de o último anel ter sido feito(agora só se vê meio campo)e portanto ficar triste de eles não terem conseguido mandar os amigos Turcos para casa, fico abismado,sempre,com os comentários do treinador e seu pupilo,o da sobrancelha ridiculamente depilada.
    O primeiro deixa em maus lençóis o que ele diz “conhecer muito bem” o árbitro deste último jogo quando diz que não expulsou um dos jogadores turcos “por pena” e que o mesmo concordou com o seu “body language”.(amigos assim eu dispenso)e depois vem o segundo, que falhou golos durante o jogo e mesmo em frente à baliza e diz que os outros ganharam mas o Real foi muito melhor em campo.
    Todos os outros deram os parabêns aos Turcos e desejaram boa sorte para as finais.
    José até foi mais longe e disse que “só queria ser amado” que “necessita ser amado”. E que em terras de sua majestade o é.
    E eu até que pensava que o homem estava bem casado e que a mulher gostava dele…
    Bem à portuguesa, quando as coisas correm bem são os “máióris” e se correm mal a culpa é dos outros.
    No futebol isso é todas as semanas.É vergonhoso.
    É que na política é igual.
    Devíamos fazer um Governo com gente de uma lado e de outro.
    Não sei se o José vai para Londres outra vez mas está a esquecer-se de duas coisas muito importantes:
    As reprises não são boas pois nunca são iguais e o facto de todas as carreiras terem o seu alto e sua decadência.
    Até em Portugal, País dos milagres,isso acontece.Demora é mais um bocadinho…….pois.
    Por falar em Políticos, hoje aquele que se diz não o ser, disse a única frase que em dois anos gostei de ouvir.Não me lembro palavra por palavra e portanto não transcrevo mas a ideia era que o Partido Socialista tem uma doença crónica que não o permite aceitar os erros cometidos no passado e que está constantemente em negação fugindo sempre às responsabilidades.
    Ora eu que não vejo em Victor Gaspar um bom Economista nem muito menos bom gestor de dinheiros públicos desde os tempos de técnico do Ministério das Finanças nos Governos Cavaco em que nunca acertou uma única previsão e por isso fez cair o Ministro das Finanças da época por enganá-lo com números e Cavaco não perdoou ao Ministro para lavar ele mesmo as mãos(as always), hoje tenho que lhe dar razão.
    Fiquei até perplexo porque descobri que Gaspar consegue falar como as pessoas e ter energia humana.
    Olhou para o deputado do PS que o atacava sobre os contractos tóxicos de que agora tanto se fala e com uma energia fantástica meteu-o na barraca em dois segundos lembrando-o que os mesmos foram todos feitos em Governos do Partido Socialista e que nem um foi assinado nestes dois últimos anos!
    Afinal até há bons Ministros neste Governo, estão é nas pastas erradas!!!!
    Será que no Futebol se passa o mesmo?

  • caríssimo Zé Paulo
    Uns falam falam e nada fazem….Outros só abrem a boca para apresentar soluções válidas.
    Parabêns ao Pedro Miguel pelas suas ideia boas.
    Santana Lopes sempre na crista da onda:”O Banco de Inovação Social (BIS) é uma rede criada pela Santa Casa da Misericórdia de Lisboa que agrega uma série de Instituições, entidades e empresas cujo conhecimento, vocação, experiência e recursos se destinam a promover a inovação social através do apoio a projetos e negócios sociais inovadores. A rede BIS pretende ser um polo importante de mobilização de talentos, recolha de ideias inovadoras e captação de meios de financiamento para desenvolver soluções inovadoras às necessidades sociais do país. O BIS lançará em breve o Programa de Apoio ao Empreendedorismo vocacionado para a criação de novos negócios posicionando-se como um importante instrumento de criação de emprego, de promoção do envelhecimento ativo, do combate ao desperdício e ao abandono escolar, necessidades sociais consideradas como prioritárias nesta sua primeira edição.”
    Aqui fica o link:
    http://bancodeinovacaosocial.pt/
    ISTO SIM SÃO ESTRATÉGIAS SENHOR PASSOS E SENHOR GASPAR !!!!
    “Governos para quê?
    Ele é um político à séria!!!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *