José Paulo Fafe

Então e agora?!


LONGE,  LEIO que o ministro da Economia anunciou na Assembleia da República a retirada aos gestores das empresas públicas de viatura e respectivo serviço de motorista. Independentemente da justeza, ou não, da medida agora divulgada por Álvaro Santos Pereira, aguardo com curiosidade a douta e sábia opinião dos comentadores de serviço, sempre tão lestos a saltar a terreiro zurzindo em tudo o que é anúncio governamental… Ou será que desta vez vão assobiar para o lado e meter a viola no saco? 

P.S. – E já agora também não escondo a minha ansiedade em saber a opinião desses mesmos opinion makers sobre a recente aposentação, enquanto deputada, da socialista Maria de Belém que passará a auferir uma pensão de mais de 3 mil euros.

4 ComentáriosDeixe um comentário

  • Amigo ZPF
    Portugal anda sempre atrasado em relação a estas “modernices” que “lá fora” são seculares.
    Na maioria dos Países civilizados nem os Ministros têm Motoristas no dia a dia.Só para situações oficiais….
    Andam de bicicleta,transportes públicos ou em carro próprio em que pagam eles os seguros e revisões.
    Quanto mais gestores amigos…
    Por cá a notícia tão impactante,
    é simplesmente não notícia em qualquer parte do mundo “normal”.
    Se o anúncio é bom?, mas claro que é.
    Vamos ver é quem vai respeitar isso.
    Sei que é normal em Portugal, País “rico” e com uma “economia crescente”…. um Ministro ter vários motoristas portanto já estou a ver os gestores amigos TODOS do bloco central..”Ó fulano, emprestas-me um motorista esta semana??”
    Maria de Belêm.
    Sou tudo menos socialista e jamais poderia votar num Partido Socialista Português por todas a razões e mais alguma. Um Partido em que Sócrates chega a líder é impróprio para qualquer pessoa de bem, ( no PSOE já seria outra conversa )mas como admirei a forma de ser de Odete Santos e achar que se fosse do PSD ou CDS nada “disto” teria acontecido, admirei tambêm a postura de Maria de Belêm.
    Grande opositora de Sócrates,de forma muito discreta, deu muito ao País, ao Partido Socialista
    (sempre foi a cara séria do mesmo)
    e ao Parlamento.
    Três mil euros por mês depois de tantos anos de trabalho de tanta responsabilidade, não me parece exagero.
    Eles há que trabalharam 8 anos e ganham bem mais que isso.
    Mas tudo isto é muito bonito.
    Passos Coelho a enfraquecer como era de esperar, inevitavelmente, Gaspar a derrapar como sempre fez,Portas a espezinhar como gosta, mercados a comprar dívida a 10 anos a juros para eles mais ou menos razoáveis(LONGE dos 0,00000000001% Alemães,ISSO sim seria de festejar,não os 5,6% que a meu ver são altíssimos)mas o certo é que estamos com mais de 20% de desemprego real(não os números que eles dão), a economia está morta, a recessão é todos os anos maior e não vamos poder pagar a nossa dívida continuando assim.
    Esta é a realidade nua e crua.
    Tudo isto é um “Déjà vu”.
    Sócrates no seu melhor ia de festejo em festejo levando-nos à banca rota e….levou.
    Mas a banca rota era da exclusividade do Estado.
    Hoje é generalizada…………..

  • Há prá i senhores que nas comissões de vencimentos por onde passaram se atribuiram a si próprios todas as regalias. Por isso não falta prá i gente que tem várias pensões com 2, 3,4,5,6,7.8,9 e 10 anos de serviço. Veja-se o caso de juízes que com 40 anos de idade e 1o anos de serviço trazem a sua pensãozinha.Gente esforçada pelas minas,linhas de montagem ou agricultura.Por isso ficaram desgastados.Agora admiram-se de isto bater no fundo!

  • Amigo ZPF
    E às vezes parece que existem políticos com sentido social,como tem (isso é indiscutível)Pedro Santana Lopes.
    Muito boa entrevista a que deu ontem na RTP1.
    Uma vez mais deu mostras de que está sempre no sítio certo no momento certo e que o trabalho feito até agora como Provedor da Santa Casa tem sido fantástico.
    Não posso concordar com Santana Lopes na coragem que vê no PM,no entanto, pois coragem seria anular todos os contractos lesivos das PPP’s e acabar com parasitas como a EDP e afins.
    Em tudo o mais concordei com o que disse.
    Ressalto a ideia que deixou bem clara que os políticos que prometem em campanha coisas que depois não fazem, ou coisas que dizem nunca fazer e depois fazem, deviam ser criminalizados politicamente.
    Essa de que “não sabíamos que a coisa estava tão mal” já é velha,digo-o eu.
    Uma vez mais, parabêns a Pedro Santana Lopes que está em belíssima forma!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *