José Paulo Fafe

Couto do Santos: ele tem quatro “amores”


NAS DÉCADAS de 80 e 90 há quem tenha ficado famoso por cantar o tema “Eu tenho dois amores” – quem não se lembra de Marco Paulo, talvez então o maior expoente do chamado nacional-cançonetismo? Mas há quem, noutras áreas lhe consiga fazer concorrência e até mesmo ultrapassá-lo em termos de “paixões”, no caso clubísticas e político-diplomáticas. E esse alguém é Fernando Couto dos Santos, o ex-ministro de Cavaco Silva, que pese ser cônsul honorário da Federação Russa no Porto (isto há cada coisa…) e ferrenho adepto do Sporting parece ser o grande entusiasta e potencial “facilitador” do alegado interesse de Hafiz Mammadov, um conhecido multimilionário do Azerbeijão que já possui interesses no Atlético de Madrid, em investir no Futebol Clube do Porto. Sporting, Porto, Rússia e Azerbeijão: quem é que disse que existe alguma incompatibiliade, quem foi? Pelos vistos para Couto dos Santos, nenhuma! Pudera…

2 ComentáriosDeixe um comentário

  • Amigo ZPF
    Se por amor ou não, já houve quem seguisse o apelo de Mário Soares na Aula Magna.
    Dois mortos e 5 feridos de granada foram o resultado.Desta vez.
    Espero que algum Juiz iluminado desta terra mande a GNR pagar 120 mil euros à família do falecido Militar (morto à queima roupa assim que entro num Restaurante em que um barricado sequestrou uma série de clientes e disparou no peito do jovem GNR nada mais o viu).
    É que quando um GNR matou sem querer o filho dum marginal perigoso e foragido da cadeia,que tentou atropelar as forças de seguridade e que foi apanhado a roubar cobre e levou o filho de 12 anos para “lhe ensinar a profissão”, levou com 9 anos de cadeia e a família exemplar 120 mil euros de indemnização.
    Nove anos de cadeia o ladrão??? NÃO!!!Amigos.
    Isso é nos Países que vivem em “Estado de Direito”, tão falado ultimamente pelo nosso Ministro da Administração Interna.
    Cá quem vai para a cadeia é a Polícia.
    Depois não querem que escadaria da AR se encha deles.
    Enquanto ficarem à porta,estamos com sorte.
    Estamos ou estão,melhor dito.
    Todos sabemos que isto já não vai a lado nenhum com ironias,mas eu tenho esta forma de expôr os gravíssimos problemas.
    Parecem assim menos graves.
    Hoje um homem matou um GNR que ficou estendido seis longas horas esperando que os colegas entrassem no sítio onde estava e acabassem com aquela loucura, acabando por morrer esvaído em sangue.
    Não me estranha.
    Se eu fosse colega nem sei se iria lá,não fosse algum Juiz meter-me na cadeia por estar a proteger a sociedade e tentar salvar a vida do meu colega metendo uma bala na cabeça do assassino.
    Mário Soares de Parabêns.
    Os meus pêsames à família do GNR que tinha uma vida pela frente.
    Menos um assassino desesperado sem trabalho e sem comida.

  • Papa Francisco na sua 1ª Exortação Apostólica

    Hoje, em muitas partes, reclama-se maior segurança. Mas, enquanto não se eliminar a exclusão e a desigualdade dentro da sociedade e entre os vários povos será impossível desarreigar a violência. Acusam-se da violência os pobres e as populações mais pobres, mas, sem igualdade de oportunidades, as várias formas de agressão e de guerra encontrarão um terreno fértil que, mais cedo ou mais tarde, há-de provocar a explosão. Quando a sociedade – local, nacional ou mundial – abandona na periferia uma parte de si mesma, não há programas políticos, nem forças da ordem ou serviços secretos que possam garantir indefinidamente a tranquilidade. Isto não acontece apenas porque a desigualdade social provoca a reacção violenta de quantos são excluídos do sistema, mas porque o sistema social e económico é injusto na sua raiz.

    Estará o Papa Francisco de Parabéns?…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *