José Paulo Fafe

A costela “peronista” de Saramago

LÊ-SE E não se acredita: a junta de freguesia da terra natal de José Saramago (Azinhaga, será?) decidiu atribuir o nome da sua mulher a uma rua daquela aldeia (ou vila). Não se acredita que Saramago, sempre tão cioso e ufano de supostos padrões e comportamentos éticos, permita uma “peronada” daquele calibre. O disparate não é certamente de quem teve essa absurda e peregrina ideia, mas sim de quem com ela pactuou – ou seja do próprio marido da homenageada…

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *