José Paulo Fafe

António José Seguro


NINGUÉM NEGARÁ que António José Seguro é um tipo simpático, afável, aparentemente bem-intencionado. Quem o conhece minimamente saberá que o actual líder socialista é alguém que tentou, ao longo dos últimos anos, preparar-se para esta liderança, suportou (e suporta…) estoicamente quem no interior do seu partido sempre o quis ver pelas costas e tirá-lo do caminho. Tozé Seguro lá aguenta, lá persiste, lá batalha e desde há dois anos consegue protagonizar a solução “pós-socrática”, contra o establishment e na ausência de quem prefere sempre, à última hora, furtar-se ao confronto.
No entanto esperava-se mais do sucessor de José Sócrates. Não se esperava um líder tão à deriva, tão exposto e tão influenciável pelas guerras intestinas que têm como palco o seu partido e a que ele, por feitio ou incapacidade, não consegue pôr cobro. Seguro é um líder “a reboque”. A reboque de um passado que continuamente o coloca em xeque-mate; a reboque de um líder parlamentar que é um desastre a todos os níveis e que cada vez que abre a boca causa mais danos que benefícios; a reboque e sem mostrar  autoridade para “pôr na ordem” os saudosistas do seu antecessor; e agora, a reboque do líder histórico do Partido Socialista que resolveu protagonizar um combate sem tréguas a este governo, contribuindo assim (consciente ou inconscientemente, sinceramente ainda não percebi…) para unir e motivar todos aqueles que, dentro e fora do partido, acham que Seguro e Pedro Passos Coelho são “farinha do mesmo saco”…
Diga-se em abono da verdade que este governo, relativamente ao líder socialista, tem sido de uma falta de habilidade  política verdadeiramente impressionante, dificultando o que à partida parecia fácil e publicamente – já por algumas vezes – desperdiçando oportunidades para estabelecer “pontes” e entendimentos essenciais para o País. Mas isso também não é desculpa…

1 comentárioDeixe um comentário

  • Amigo ZPF
    O único culpado do afastamento de Seguro em relação ao Governo é o PM Pedro Passos Coelho.
    Quem trabalha com ele descobriu um homem muito difícil, arrogante e que não admite ideias. Tudo o que parecia não ser.
    Enganou mais que Sócrates que bastava olhar para aquela cara de zé povinho que nunca olhava directo as câmaras nem as pessoas quando mentia para saber o calibre de personalidade que ali estava.
    Vamos ter um Governo com Seguro, isso certamente, mas com Paulo Portas.
    Isso é mais previsível que a saída de Cavaco de Belêm quando chegue a hora, com a pior performance jamais vista num PR desde a 1ª República.
    No grupo parlamentar do PS estão os deputados que Sócrates escolheu.
    Ora todos sabemos que Seguro fez uma oposição firme e constante ao ditador de trazer por casa.
    É lógico que o ódio de estimação é notável. Como ele mesmo disse, Sócrates, é um animal feroz….e eu acrescentaria que vingativo….
    Nas próximas eleições todos aqueles deputados irão dar uma volta ao bilhar grande e Seguro pode então ter o apoio merecido!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *