José Paulo Fafe

“Agora deito-me eu, agora deitas-te tu!”




ENQUANTO QUE, com uma sobriedade e objectividade notáveis, o jornalista ao serviço da TVI Rui Araújo relatava em directo o conflito líbio, os enviados da SIC e da RTP a Tripoli recorriam a todos os meios para encontrar um cenário que lhes permitisse “passar” uma imagem de acossados repórteres de guerra, entre chuva de balas e enfrentando mil e um perigos – ou seja tentando ser eles mesmos o “centro da notícia”. Recorro a duas imagens publicadas por Frederico Duarte Carvalho no seu blogue www.paramimtantofaz.blogspot.com para ilustrar o comportamento patético de Cândida Pinto e Paulo Dentinho que, dentro do hotel da capital líbia, escolheram o mesmo muro para se esparramarem e entre ruídos longínquos de tiros relatarem ofegantes um cenário que de guerra pouco ou nada tinha. Esqueceram-se foi de retirarem a garrafa de água do “campo” dando a clara sensação do “agora deito-me eu, agora deitas-te tu!”. Para a próxima não se esqueçam de levar um assistente de realização. Dá sempre jeito…

2 ComentáriosDeixe um comentário

  • Agora olha este texto da primeira edição em papel do Dinheiro Vivo autoria do João Adelino Faria…
    Não devemos andar no mesmo mundo!

    Augusto FS

    O que os faz correr
    03/09/2011 | 00:49 | Dinheiro Vivo Ao telefone acertava comigo os últimos detalhes de mais um directo no jornal quando um silvo de balas de metralhadora cortou brutalmente a nossa conversa. Depois, o silêncio. Minutos de angústia até que, com um sorriso disfarçado, voltei a ouvir a voz dela: “Tenho a cama do quarto com balas mas já passou. Está tudo bem.” Continuámos a conversar alguns minutos com ela deitada no chão enquanto os disparos não cessavam. Quando o silêncio voltou, levantou-se e olhou à volta: “Vamos embora que já está na hora do directo!”

    As memórias daquela guerra em Angola e da conversa com a repórter Cândida Pinto assaltam-me sempre que assisto a situações como a que aconteceu, de novo, esta semana. Dois dos nossos melhores jornalistas são surpreendidos por um ataque de atiradores em Tripoli, quando faziam directos para os telejornais. Apesar da violência e do risco de vida não fugiram. Encolheram-se no terraço do hotel e continuaram a relatar o que estava a acontecer, enquanto as balas lhes voavam por cima. Olhei gelado para o ecrã quando vi que a única protecção que a Cândida Pinto (SIC) e o Paulo Dentinho (RTP) tinham era a roupa do corpo e uma parede mínima. Ao lado, os repórteres da Sky News e da CNN faziam o relato à distância recomendada dos locais de perigo e protegidos por coletes e seguranças.

    Fazer jornalismo de guerra como estão a fazer os repórteres portugueses na Líbia é um enorme risco e eles sabem, mas mesmo assim nada os faz desistir. Ao primeiro sinal de perigo avançam quando muitos recuam. Este é o verdadeiro jornalismo, do qual nos deveríamos orgulhar. Quando vejo nas estações mundiais de televisão alguns dos grandes repórteres mais preocupados em serem protagonistas do que em relatar factos, ou a fazer jornalismo de guerra na porta do hotel, não deixo de pensar afinal o que faz correr os nossos repórteres de guerra. Não ganham mais por isto, não têm protecção especial, muitas vezes até lhes falta um simples obrigado. Mas eles não desistem!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *