José Paulo Fafe

Afinal, este é que é o homem das trapalhadas!

FAZ HOJE quatro anos que o Partido Socialista ganhou as eleições e José Sócrates surgiu como primeiro-ministro. Não vale a pena enunciar aqui as mil e uma promessas que foram feitas ao longo da campanha e o que, de facto, foi cumprido por este governo… O que eu achava interessante era recordar as inúmeras “trapalhadas” em que o chefe do executivo se viu envolvido (ou sobre si foram reveladas) ao longo destes quatro anos. Vamos lá ver se me lembro de todas:
1. Soube-se que em Fevereiro de 1992 tinham surgido duas versões do seu registo biográfico rasurado (para não dizer “falsificado”…) com a sua própria letra. Até hoje ninguém foi ainda capaz de explicar como foi possível aparecerem 2 cópias escritas por ele próprio, cada uma delas com informações diferentes sobre as suas habilitações literárias e profissão
2. Foi revelado que, em 1996, o então ministro do Ambiente de António Guterres tinha-se licenciado na Universidade Independente (por acaso, num domingo…), com exames mandados por “fax” e cadeiras ministradas por amigos de longa data;
3. No dia 13 de Maio de 2008, desobecendo à legislação em vigor, foi apanhado a fumar num avião. Quando confrontado pelos jornalistas com esse facto, desculpou-se afirmando que o seu ministro da Economia também o tinha feito…
4. Entretanto, o jornal “Público” denuncia que há uns anos atrás Sócrates assinava projectos de casas na Guarda que não eram da sua autoria, mas sim de amigos que eram funcionários daquela autarquia (um deles que também viria a formar-se mais tarde na Universidade Independente) e que, curiosamente, eram aprovados em tempo recorde. Recentemente soube-se que o actual presidente da Câmara, Joaquim Valente (também ele colega na Universidade Independente…) tinha mandado arquivar o inquérito que foi levado a cabo por funcionários da própria autarquia;
5. Depois veio o “caso Freeport”. Tirando tudo o que uns disseram e depois quiseram desdizer, uma singela pergunta caracteriza todo essse imbróglio: porque razão José Sócrates, quando informado pelo seu tio, que alguém pedia 4 milhões para aprovar o empreendimento, não denunciou o caso às autoridades competentes?
6. Hoje, o jornal “Público” insere uma extensa investigação onde revela que as escrituras dos apartamentos onde reside o actual primeiro-ministro possuem valores divergentes e que a verba paga por Sócrates, em 1996, foi francamente mais baixa da que, dois anos antes, um seu vizinho pagara por um apartamento mais pequeno.
Não acham que é “trapalhada” a mais, ou é impressão minha?

2 ComentáriosDeixe um comentário

  • Há mais:
    Uma história sobre uma bomba de gasolina na Amadora;
    A criação de empresas de tratamento de lixo (impulsionadas pelo então ministro do Ambiente e onde pontifica o “amigo” Rui Nobre Gonçalves) com desenvolvimento num caso de corrupção (com outro “amigo”, António Morais, também da ex-Univ. Independente) na Cova da Beira e “bocas” mandadas pela arguida Fátima Felgueiras.
    O que haverá a seguir? Comissões pela venda do “Magalhães”?…
    Uma pessoa pode cometer uma ilegalidade, ou fazer uma “trapalhada”. Mas, com este, não há uma – há muitas!
    Ele tem uma lógica de profissional ou de cleptómano!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *