José Paulo Fafe

A vida não está fácil para Durão…


QUEM DIRIA que José Manuel Durão Barroso seria, também ele, uma vítima da crise que assola a Europa? Apesar de todos os amens à todo-poderosa chancelerina alemã que caracterizaram os seus dois mandatos como presidente da Comissão Europeia, parece que Durão Barroso caiu em desgraça junto de quem tão diligentemente serviu ao longo dos últimos 9 anos, hipotecando assim as suas ambições de ver-se reconduzido a um terceiro mandato a partir de Outubro do próximo ano.  E a ponto de ver o seu “plano B”, ou seja uma eventual candidatura à secretaria-geral da ONU em 2015, desmoronar-se perante o pouco entusiasmo que a mesma parece colher junto da generalidade dos países europeus – isto apesar de há mais de duas décadas, desde os dois mandatos do controverso Kurt Waldheim, a Europa não possuir um secretário-geral.
Restam assim a Durão duas hipóteses: uma hipotética candidatura presidencial, com todos os inconvenientes que a “memória colectiva” (chamemos-lhe assim) pode implicar para  quem é refém de todos quantos recordem a forma célere e pouco elegante como, em 2004, trocou Lisboa por Bruxelas; e um “período sabático” para quem, à semelhança de outros líderes políticos, trocaram o poder por bem-remuneradas consultadorias – aliás algo que não será estranho para quem já foi, pelo menos antes de ser primeiro-ministro,  consultor do BES.

1 comentárioDeixe um comentário

  • Amigo ZPF
    E uns valem muito, outros assim assim e outros há que não valem nada.
    Num movimento de anca digno de uma bailarina de Samba, despedem-nos dum lado para “inglês ver” e metem-nos logo noutro com tacho garantido.
    Isso tem um nome.
    Algo que cheira muito mal.
    Como um peixe depois de 3 meses dentro de um saco de plástico ao sol.
    Nunca vi em lado nenhum, em País nenhum,civilizado,digno de se dizer democrata e de estado de direito, coisas iguais às que acontecem em Portugal em certos Governos Socialistas e Sociais Democratas.
    Resume-se a duas palavras: Vergonhoso e nojento!

    “O presidente da empresa que agrega a Carris e a Metro de Lisboa e que foi demitido na sequência do escândalo dos swaps terá lugar garantido na assessoria da administração da Refer, segundo o Público.” http://www.noticiasaominuto.com/economia/80816/gestor-demitido-da-carris-com-lugar-garantido-na-refer#.UbUb3Of2ZlA

    Palavras para quê………

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *