José Paulo Fafe

A hora de Lula (por estranho que possa parecer…)


CONTRARIAMENTE AO que muitos pensavam (eu incluido…), a presidente Dilma Rousseff perdeu aparentemente a mão num Brasil onde os bastidores da política sempre foram complexos e obrigam a ter uma flexibilidade que esta fria e teimosa filha de búlgaros insiste em não ter. Há cinco meses atrás, ao ser reeleita, Dilma perdeu a oportunidade de traçar o seu próprio caminho e de soltar-se das amarras de um PT em fim de ciclo, verdadeiro “ninho de gatos” onde os “barões” se digladiam furiosamente por detrás do pano, tentando posicionar-se na primeira linha da sucessão para 2018. Tinha então uma oportunidade de ouro de reconciliar-se com a sociedade brasileira, de promover uma verdadeira reforma política que conduzisse a uma necessária reorganização do espectro partidário e de, com isso, disfarçar os efeitos de uma natural crise económica que o país iria atravessar. E quem sabe mesmo de encerrar com “chave de ouro” o ciclo do PT ao fim de 16 anos de poder…
Mas não, Dilma preferiu isolar-se e embrenhar-se naquele pântano que normalmente rodeia os poderosos, onde a intriga, as jogadas e os harakiris políticos se sucedem. Primeiro foi o “caso da Petrobras” onde uma inabilidade gritante por parte da própria Dilma chegou a colocar em causa a sua própria reeleição e contribuiu inevitavelmente para algumas  derrotas do seu partido. Depois conduziu a formação de um governo com uma inabilidade de uma principiante, formou um executivo que não possui uma linha política, uma lógica, onde ninguém sabe bem às quantas anda e onde a articulação política “voa” de mão em mão, ou seja de ministro em ministro, ao sabor dos amuos e birras dos parceiros de uma base aliada vasta, complexa e fisiológica para quem um cargo de segundo ou terceiro escalão é mais importante que qualquer outra coisa.
Enquanto isso, a rua faz-se ouvir. Legitimamente, no exercício de um direito que a democracia confere a quem opta por expressar o seu protesto. O impeachment está obviamente fora de causa, tal como o regresso dos militares que alguns imbecis reclamam. Mas esses são uma minoria. Com esses Dilma não tem que se preocupar. Dilma tem que se preocupar, isso sim, com a imensa maioria dos que sairam para a rua, com os que  querem e precisam de ver o Brasil mudar. E nem é tanto mudar de governantes, mas sim de práticas, de lógicas e principalmente de mentalidade.
Por estranho que parecer e por mais contraditório que isso possa parecer, hoje, mais do que nunca, Dilma depende de Lula. É Lula e só Lula que lhe poderá estender a mão e salvá-la do pântano onde ela se está a deixar atolar hora após hora. É, por estranho que possa parecer, Lula e só Lula que ainda pode colar os cacos de uma elite política (com o PSDB incluído, note-se.….) que cada dia menos possui a confiança dos brasileiros e de quem devia representar. O curso da história trocou as voltas a Dilma – em vez de afastá-la naturalmente de Lula, tornou a criatura cada vez mais dependente do seu criador…

2 ComentáriosDeixe um comentário

  • Amigo ZPF
    Há muito que os políticos não mandam na vida dos Estados,das Nações.
    Os interesses dum Capitalismo selvagem,que matou totalmente o domesticado,têm todos os políticos mundiais de trela e rédea curta.
    Ou fazem o que esses “trilionários” querem,e mesmo que os povos morram à fome, dá igual,ou tiram-lhes o tapete,o chão e até a terra….Como não têm asas,caiem.
    Olha em Portugal.
    Hoje li isto e fiquei sem acção…
    “Governo lança nova vaga de PPP no valor de 13,6 mil milhões”
    Sócrates lesou-nos em milhares de milhões de euros com a porcaria das PPP e o PSD e CDS criticaram duramente,e com razão na altura,esses contractos que SEMPRE enchem os bolos dos “amigos” empresários e deixam o Estado de tanga,ou seja nós.
    Quase sempre os mesmos políticos que assinam esses contractos vão directos de São Bento para as Administrações dessas empresas “amigas”,as mesmas que foram “escolhidas” para as “parcerias”…..
    Bom, agora parece que afinal as PPP são fantásticas.(para eles são sempre).
    Como jurei a mim mesmo que ia ser mais meigo de adjectivos a este Governo,digo só que simplesmente não acredito no que leio…..
    Quem manda,quem manda,quem manda????

  • Amigo ZPF
    Fiquei uma vez mais em estado de choque com a famosa “lista vip” nas Finanças.
    O nome deveria ser “Lista dos podres” pois nada na vida dessa escumalha tem de vip,muito pelo contrário.Como muito seriam convidados para algum jantar em Nápoles ou na tórrida Sicília.
    Não há adjectivos para qualificar o que se tem passado desde 2005.
    Quando me lembro que Sampaio deu o golpe em Santana Lopes e as razões que evocou fico com uma alergia para 3 dias e nem o Zirtec me a acalma.
    Imagino se o então Primeiro Ministro Pedro Miguel tivesse feito 0,00000000000000000000000001% do que Sócrates e Passos fizeram até agora.Digo até agora pois Passos continua no poder,ou seja que não se sabe o que se vai descobrir dentro de algum tempo.Eu não confio nele.Sempre o tive como um incompetente mas honesto.Hoje em dia já nem honesto acho que é.
    Não digo que seja desonesto,simplesmente vejo-me no direito de pensar,de desconfiar, que o é.
    Algo tem que mudar e rápido.
    Não é possível que um regime sobreviva a tanto murro na cara.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *