José Paulo Fafe

23 anos…

HÁ DIAS, um amigo brasileiro que tem passado por cá nos últimos meses comentava-me que tinha “colhido” dos portugueses um forte e mais do que visível desejo de mudança: “O pessoal aí está farto, dá para perceber que quer mudar…”, dizia-me ao telefone, um pouco surpreendido – ele que é um homem ligado às coisas da publicidade e do marketing – por nenhum dos contentores políticos, em especial a líder da oposição, esgrimir esse argumento nos outdoors que começam a ver-se espalhados por esse País fora.

Com o oceano de permeio e de telemóvel para telemóvel, tentei sucintamente explicar-lhe que, de facto, esse é que era o grande problema com que nos debatíamos – a ausência de uma proposta séria e sustentada de mudança. Mas ele insistia: “Pô… Mas essa tal de Manuela é da oposição, certo?”. Certo, é claro que sim, confirmava-lhe. E ele voltava à carga, uma, duas, três vezes: “Fafi, não tô entendendo, vocês portugas são mesmo complicados…”. Aí eu fiz um esforço, pedi-lhe que me ouvisse um minuto e tentei resumir as duas últimas décadas da política portuguesa. Desta forma: entre Janeiro de 1990 e Outubro de 1995, a actual líder do PSD esteve no governo, tendo sido secretária de Estado e depois ministra da Educação – isto sem contar com o cargo de directora-geral que desempenhou entre 1986 e 1990; depois, com a vitória eleitoral dos socialistas, em 1995, José Sócrtaes, o actual primeiro-ministro entrou para o governo, onde esteve sete anos, primeiro como secretário de Estado e depois como ministro; a seguir, em 2002, com o regresso do PSD ao governo, Manuela Ferreira Leite voltou a ser ministra durante dois anos, até Julho de 2004; e finalmente, poucos meses depois, em Março de 2005, Sócrates foi eleito primeiro-ministro. Resumindo: há 19 anos, para não dizer 23 (se contarmos com o facto da líder “laranja” ter sido Directora-Geral da Contabilidade Pública entre 1986 e 1990) e à excepção de um curto período de oito meses, ou Sócrates ou Ferreira Leite fizeram parte dos governos que o nosso País teve.

Você ’tá brincando, não ’tá?”, questionava o meu amigo lá de terras de Vera Cruz. Não podia estar a falar mais a sério, dizia-lhe – era exacatamente por isso que isso da “mudança” não colava de jeito nenhum. “Vinte e três anos?! Só pode ser brincadeira!”, exclamava o meu interlocutor. Achei que a chamada já ia longa e ao despedir-me não resistir em “abrasileirar” o meu português: “Brincadeira é ‘apelido’ (alcunha), meu caro…”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *